Postagens

Indignais-vos contra mim, porque no sábado curei de todo um homem? (João 7.21-24) - ICP Responde

  ICP Responde Indignais-vos contra mim, porque no sábado curei de todo um homem? (João 7.21-24) Adventistas do Sétimo Dia. Declaram que Jesus, freqüentemente, enfrentava polêmica com os judeus por causa do sábado. Resposta apologética: Os judeus eram ferrenhos guardadores do sábado e sempre estavam discutindo com Jesus sobre o assunto. O que admira no texto em estudo é a afirmação de Jesus de que a observância do sábado está subordinada à circuncisão. A circuncisão de uma criança ocorria no oitavo dia do seu nascimento (Gn 17.10; Lv 12.3). E, para que a lei não ficasse invalidada, o sábado tornava-se inferior à circuncisão. Veja bem. Se hoje a circuncisão é algo secundário, inexpressivo, não sendo praticada por nenhum cristão, por que a observância do sábado ainda permanece como um preceito superior? Ellen G. White ensinava que a guarda do sábado implicava em salvação. O ensino de Jesus sobre o sábado, no entanto, é diferente. Jesus é Senhor do sábado. Possui autoridade sobre esse di

Apocalipse versículo por versículo - Ap. 1.7

Imagem
 

Islamismo, sua história e ensinamentos

Imagem
 

Se não comerdes a carne do Filho do homem e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos (João 6.53) - ICP Responde

  ICP Responde Se não comerdes a carne do Filho do homem e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos (João 6.53) Catolicismo Romano. Lança mão deste texto para fundamentar a crença de que a hóstia é um elemento que se transforma efetivamente no corpo e no sangue de Cristo, por isso deve receber adoração (latria) por parte dos fiéis. Tal crença foi sacramentada no Concílio de Trento, quando se firmou o entendimento de que o “santíssimo sacramento” representa a presença do Verdadeiro Deus entre os homens. Resposta apologética: Esta crença faz que os católicos adorem elementos materiais, finitos: o pão e o vinho, como se fossem o próprio Deus. Este tipo de adoração é claramente proibido nos Dez Mandamentos (Êx 20.4). Tentar argumentar que a presença de Cristo na hóstia está corretamente respaldada no atributo divino da onipresença não resolve o problema da idolatria, porque a hóstia, o elemento intermediário, é reverenciada como sendo o próprio Deus na pessoa do Filho. Sai

Homilética para pregadores do evangelho

Imagem
 

Não que alguém visse o Pai, a não ser aquele que é de Deus (João 6.46) - ICP Responde

  ICP Responde Não que alguém visse o Pai, a não ser aquele que é de Deus (João 6.46) Mormonismo. Declara que João, ao declarar estas palavras, tinha em mente uma doutrina que seria revelada somente no futuro. Tal “cumprimento”, segundo acredita, ocorreu no dia em que Joseph Smith viu o Pai e o Filho. Resposta apologética: Primeiramente, devemos atentar para o fato de que esta fala não é de João, mas de Jesus, em referência a si próprio. Jesus estava afirmando que havia descido do céu (v. 41), logo, poderia dizer que somente aquele que é vindo de Deus é que viu o Pai. O contexto deixa óbvio o que Jesus tinha em mente, ou seja, que Ele estava junto do Pai (1.1). Jesus veio ao mundo revelar o Pai (14.9). Qualquer interpretação que fuja deste contexto é antibíblica. Saiba mais... www.icp.com.br

Eu vim em nome de meu Pai (João 5.43) - ICP Responde

ICP Responde Eu vim em nome de meu Pai (João 5.43) Unicistas. Interpretam a declaração de Jesus neste versículo como se estivesse dizendo: “Eu sou o Pai”. Com isso, concluem que Jesus não veio sozinho, mas trouxe consigo o Pai. Resposta apologética: A expressão “em nome de” significa, claramente, “na autoridade de”. Como podemos constatar, Jesus está afirmando que não veio em seu próprio nome, logo, não é o Pai. Um pai humano pode dar o seu nome ao filho, mas isso não significa que os dois são a mesma pessoa. Saiba mais... www.icp.com.br